Sage Partner Program / Sage University

Como podemos minimizar os riscos da digitalização dos negócios?

Na Sage University já se encontra disponível a formação “Cibersegurança na ótica do utilizador”. Em cada sessão procuraremos sensibilizar os Clientes e Parceiros para uma maior consciencialização sobre os novos riscos de Cibersegurança e os ataques mais comuns na atualidade e quais são os comportamentos mais seguros a ter no dia-a-dia.


Em 2020, a cada 11 segundos houve um Ciberataque e 330 milhões de pessoas foram vítimas de Cibercrime. Atendendo aos dados analisados, a Cybersecurity Ventures prevê que o Cibercrime custará ao mundo mais de 5,5 biliões de euros em 2021. Tendo em conta estes dados e às cada vez mais frequentes notícias sobre Ciberataques, é fácil compreender que os Cibercrimes estão no TOP das preocupações dos líderes atuais e são uma das maiores ameaças que a economia mundial terá de enfrentar nos próximos 10 anos – segundo o estudo CEO Imperative, da EY.

Hoje em dia estamos conectados à Internet quase 24 horas por dia e, nesse período, incorremos em vários riscos sem termos essa perceção. A título pessoal, navegamos na Internet e nas aplicações do telemóvel desprovidos de proteção e segurança; enquanto colaboradores de uma empresa, utilizamos os nossos sistemas, computadores e aplicações, podendo ser alvo de quebras de segurança, deixando-os à mercê da boa conduta de terceiros. Estamos hoje mais conscientes da gravidade destes Ciberataques e das consequências que podem ter, podendo afetar várias organizações, assim como as suas cadeias de valor. Estes são alguns dos motivos pelos quais este tema está nas agendas dos líderes globais e pelo qual é cada vez mais uma urgência entendermos como podemos evitar perdas financeiras, furtos de identidade ou mesmo danos reputacionais nas nossas organizações.

 

Denúncias de Cibercrime mais que duplicam

Segundo um artigo da Security Magazine, em Portugal, as deteções de malware aumentaram em 10,8%, entre o primeiro e o segundo quadrimestre de 2021, e entre maio e agosto de 2021, a ESET detetou 55 mil milhões de novos ataques de força bruta, contra serviços de protocolo RDP – Remote Desktop Protocol. Para o Gabinete de Cibercrime, se esta tendência se mantiver, “espera-se que, no final do ano, as denúncias de Cibercrime em 2021 mais que dupliquem o número das denúncias de 2020”. Além disso, atendendo ao relatório do segundo trimestre de 2021 da WatchGuard Technologies, um dado que nos deve alarmar é que “91,5% do malware do segundo trimestre foi disseminado através de ligações HTTPS encriptadas” – com protocolos de segurança. Com estes dados em mente e observando cuidadosamente o ataque de 7 de maio de 2021 à Colonial Pipeline, podemos tirar algumas conclusões:

  • Os serviços antigos continuam a ser alvos valiosos.
  • As ameaças baseadas no Microsoft Office mantêm-se populares.
  • Os domínios de phishing continuam a ser mascarados de domínios legítimos e amplamente conhecidos.

 

Aumentar a literacia em cibersegurança

Cientes da urgência que existe em aumentar a literacia digital dos internautas, após um ano de aceleração tecnológica impulsionada por uma pandemia mundial, a Euroconsumers e a Google criaram o Space Shelter, um novo jogo online que pretende sensibilizar os consumidores para as questões de Cibersegurança. Também na Sage University, encontra disponível uma formação sobre este tema, em que em cada sessão procuraremos sensibilizar os nossos Clientes e Parceiros para uma maior consciencialização dos novos riscos de Cibersegurança, dos ataques mais comuns na atualidade e quais os comportamentos mais seguros a ter no dia-a-dia para minimizar os riscos da atual digitalização dos negócios. Saiba mais sobre a formação “Cibersegurança na ótica do utilizador” aqui.

 

Andrea Junqueira
Learning Services Design Specialist