Tendencias

Tendências tecnológicas, segundo a Gartner

A incerteza criada pelo COVID-19 fez com que muitas empresas tivessem que mudar os seus planos, em tempo real, e investir em tecnologia a todo vapor. Segundo os especialistas da Gartner, o investimento em software empresarial continuará em alta.

Segundo as previsões dos especialistas da Gartner, as empresas vão alocar a maior parte dos seus recursos em áreas relacionadas com a transformação digital, entre as quais se destacam o investimento em tecnologia que deverá atingir o valor de 3,9 mil milhões de dólares à escala global, o que representa um crescimento de 6,2% face ao ano anterior.

 

Tecnologias para apoiar a retoma

A pandemia COVID-19 continuará a ser o principal impulsionador da transformação digital em todo o mundo. Ao longo do ano passado, a maioria das empresas fortaleceu as suas operações comerciais enquanto se adaptava ao trabalho remoto e ao distanciamento social. Durante este período de incerteza, o investimento foi feito apenas nos designados “temas críticos” para a sua sobrevivência, o que quis dizer necessariamente em novas tecnologias. No entanto, em 2021, a situação mudará. O objetivo principal das empresas, segundo a consultora, será expandir a infraestrutura de TI para dar suporte à retoma e ao crescimento.

Neste novo cenário, a Gartner acredita que todos os setores do mercado de TI crescerão nos próximos 12 meses. E, entre eles, haverá um que se destaca: o software empresarial, que terá uma forte recuperação, com crescimento de 8,8% neste ano.

Trabalho remoto veio para ficar

A necessidade crescente de soluções de trabalho remoto ou teletrabalho fará crescer a oferta de dispositivos, cuja procura crescerá 8%. Não é de surpreender que necessitamos cada vez mais de equipamentos para trabalhar e estudar remotamente, uma tendência que veio para ficar e passará a fazer parte do nosso quotidiano. Isso significa que os gastos com os serviços de telecomunicações, sistemas de data center e serviços de TI também crescerão 4,5%, 6,2% e 6%, respetivamente, de acordo com os especialistas.

Se adicionarmos todos os requisitos necessários para tornar o trabalho remoto e híbrido possível, os gastos globais com TI chegarão a 332,9 mil milhões este ano, 4,9% mais do que em 2020. “A COVID-19 mudou o equilíbrio da tecnologia em muitos setores”, refere John-David Lovelock, responsável pela equipa de research do Gartner Group. “Em 2021, vamos assistir à emergência de níveis mais sofisticados de digitalização. E isso ocorrerá em várias áreas das empresas, desde os processos internos, à cadeia de fornecimentos, às interações com Clientes e Parceiros, bem como na prestação de serviços. E permitirá que a TI deixe de dar suporte ao negócio para se tornar verdadeiramente no negócio. A maior mudança neste ano será como a TI é financiada, não necessariamente em quanto a TI é financiada”.

Acelerar a transformação digital

Mas, nesse último relatório, a consultora foi um pouco mais longe nas suas previsões alertando que, até 2024, as empresas serão obrigadas a acelerar radicalmente os seus planos de transformação digital. O horizonte temporal desse investimento será, pelo menos, de cinco anos, e será uma condição essencial para sobreviver ao mundo pós-COVID, onde o trabalho remoto e as interfaces digitais passarão a ser a norma.

“Os negócios digitais serão a tendência de tecnologia dominante em 2021, em áreas como os serviços cloud, as soluções de e-commerce, a segurança e tudo o que esteja relacionado com a melhoria da experiência do cliente”, diz Lovelock. “Iniciativas de otimização, como a hiper-automação, continuarão em destaque e o foco desses projetos estará em maximizar o retorno dos processos, não apenas das tarefas.”

Finalmente, os especialistas da Gartner abordam também como tendências o surgimento da designada “Internet do comportamento”, ou tecnologia de reconhecimento facial e análise do comportamento. Mas, acima de tudo, alerta para um novo modelo de “operações em qualquer lugar” que surgirá para apoiar clientes e trabalhadores onde quer que estejam.

Este é um conceito em que o software como serviço, aquele que é oferecido através da cloud, é fundamental, pois permite que qualquer pessoa aceda aos recursos tecnológicos a partir de qualquer lugar e com qualquer dispositivo, sem necessidade de estar vinculado a um local físico específico e até ao uso de um computador específico.

 

Arantxa Herranz Arantxa é jornalista freelance e consultora especializada em tecnologia.