Tendencias

9 exercícios para pôr a sua empresa em forma

A melhoria do ambiente de trabalho é uma das prioridades na gestão dos recursos humanos. É uma forma de minimizar os problemas organizacionais, mas também uma oportunidade para desenvolver todo o potencial da sua equipa.

Apresentamos nove dicas para melhorar o ambiente de trabalho que abordam diferentes aspetos da vida empresarial: condições mínimas de trabalho, medidas para melhorar a motivação e a autoestima dos funcionários e a forma como podemos contribuir para que eles se sintam realizados.

 

Salário e incentivos atrativos

Providenciar um bom ambiente de trabalho é um bom ponto de partida para fidelizar o talento. Mas é necessário mais: os trabalhadores devem ser devidamente pagos. Não vamos esquecer isso, embora o trabalho tenha muitas outras motivações, sabemos que a remuneração é a principal.

Além do salário base, os complementos variáveis ​​e os diferentes programas de benefícios para funcionários também são muito importantes. Eles procuram não só premiar o mérito e o esforço, como também envolver os funcionários nos objetivos e resultados da empresa.

 

Melhorar a segurança no trabalho

Os acidentes e doenças profissionais têm uma influência muito negativa no ambiente de trabalho. A principal repercussão ocorre obviamente no estado de saúde do trabalhador que os sofre, pois não é raro que ele se sinta como a vítima injusta das falhas nos processos da empresa.

Mas, além disso, eles influenciam muito negativamente o resto da equipa. Por um lado, há a desmotivação que produz o sofrimento de um parceiro. Por outro, há o medo latente de poder ser a próxima vítima. E, claro, a investigação dos possíveis conflitos legais inerentes às falhas de segurança são uma fonte de pressão permanente sobre o grupo de pessoas que trabalham com os colaboradores afetados.

 

Aumentar o bem-estar emocional

A saúde mental é muito importante em muitas áreas. Ela influencia o estado físico do trabalhador num dado momento, mas também a progressão das doenças e dos maus hábitos de saúde ao longo do tempo. A sanidade mental também afeta o desenvolvimento das faculdades intelectuais. O resultado é claro: o bem-estar emocional dos trabalhadores é uma das principais condicionantes ao seu nível de produtividade.

Ao contribuir para a saúde mental dos trabalhadores, vários fatores devem ser levados em consideração. Os perfis dos funcionários devem ser estudados. Há que avaliar as melhores alternativas para cada caso individual e o custo de cada opção. Além disso, é muito importante tentar prever o impacto que cada uma delas poderá vir a ter no resto da equipa.

 

Definir princípios de conduta

Um especto fundamental para fidelizar o talento é a identificação dos princípios gerais de conduta da empresa com os quais os funcionários se devem sentir identificados. Esta é a melhor maneira de reconhecer que eles são os portadores dos valores que a empresa quer transmitir.

Quando se promove uma boa combinação de princípios de conduta, os funcionários sentem que vale a pena fazer parte da empresa. É preciso identificar claramente os objetivos e a forma como esses princípios devem ser alcançados e zelar para que toda a equipa esteja envolvida neles.

 

Escutar os trabalhadores

Os funcionários não são peças inertes em um tabuleiro de xadrez movido pela vontade dos gerentes da empresa. Pelo contrário, eles são recetores e transmissores de informações valiosas. E, claro, eles possuem emoções e aspirações que importa ouvir e respeitar.

Os gestores devem estudar muito bem as informações que transmitem aos seus funcionários. Mas, sobretudo, devem saber escutá-los. Ao mesmo tempo, há que saber responder em tempo útil aos seus comentários. Isso não significa que devam abandonar permanentemente as suas tarefas para prestar atenção aos subordinados. É preferível desenvolver um quadro de relacionamento leal em que ambas as partes sejam incentivadas a colaborar.

 

Conciliar a vida pessoal e profissional

Quando a vida profissional e pessoal entram em conflito, é habitual que pelo menos uma das duas facetas seja inadequadamente atendida. Mesmo que o trabalhador seja um ótimo profissional, é comum que a pressão na sua esfera privada acabe por gerar desmotivação e quebras de produtividade.

Os problemas individuais de um trabalhador podem igualmente gerar um efeito de cascata, fazendo com que o clima de frustração se espalhe por toda a equipa. Promover um melhor equilíbrio entre a vida profissional e pessoal torna a empresa mais humana e permite que as equipas funcionem melhor.

 

Fortalecer a criatividade

Tanto a inteligência coletiva, quanto o suporte aos sistemas de inteligência artificial que facilitem a aprendizagem, darão um novo impulso à criatividade da empresa. Um dos riscos que existe é que o empregado se sinta como outro objeto dentro de uma comunidade, ou como um mero instrumento.

No entanto, esse risco pode ser combatido. Um desafio importante na gestão de recursos humanos é conhecer os objetivos e aspirações pessoais dos funcionários. Ou seja, identificar o que eles acreditam que podem contribuir para a empresa e encontrar o canal para que os seus objetivos pessoais possam ser combinados com os da empresa.

 

Apostar em causas sociais

Todas as empresas contribuem para o bem-estar social da comunidade, pelo menos através dos seus produtos. No entanto, para que os trabalhadores confiem na empresa, é necessário ir mais longe.

A adesão a causas sociais transforma a empresa em uma organização com uma vocação transformadora para o seu meio ambiente. As conquistas nesta área são um sinal de que a empresa é útil para a sociedade. O compromisso dos trabalhadores, tanto individualmente como em conjunto, sai reforçado.

Valorizar os funcionários

Tornar a empresa uma boa opção para o futuro em termos de empregabilidade é um dos melhores incentivos no presente. Os funcionários percebem que os seus esforços ajudam a empresa a crescer, ao mesmo tempo que eles próprios crescem profissionalmente.

Esse objetivo pode ser alcançado de várias formas: através das promoções profissionais, da confiança demonstrada na delegação de tarefas, da participação em projetos ambiciosos que aumentem as aspirações profissionais dos funcionários, na promoção ativa do empreendedorismo interno, no desenvolvimento de planos de formação personalizados, etc.

A melhoria contínua do ambiente de trabalho é, em resumo, uma componente essencial para o crescimento sustentado de qualquer empresa. Se a gestão de recursos humanos falhar, os investimentos financeiros não serão usados ​​corretamente, os processos de trabalho serão prejudicados, os custos internos aumentarão e a qualidade dos produtos e serviço ficará deteriorada. Isso significará certamente a perda de clientes ou de colaboradores com talento. Se, ao contrário, cuidamos melhor das pessoas, podemos descobrir oportunidades de melhoria em todas as áreas da empresa.

 

Gonzalo García Abad. Licenciado em Economia.