Agenda

5 livros recomendados por Bill Gates

Além de fundador da Microsoft e filantropo, Bill Gates também é um ávido leitor. No seu blog pessoal, o homem que há muito alertou o mundo contra uma iminente pandemia mundial, revela as cinco obras que leu durante o confinamento.

 

 

The Choice, Edith Eva Eger

O livro conta a história real de uma bailarina, com apenas 16 de idade, que foi enviada, juntamente com a sua família, para um campo de concentração em Auschwitz. Depois de sobreviver a vários traumas, ela emigra para os Estados Unidos e torna-se uma terapeuta. “Acredito que muitas pessoas encontrarão conforto nas suas sugestões de como lidar com situações difíceis”, diz Gates.

 

 

Cloud Atlas, David Mitchell

É um romance que fala sobre “o melhor e o pior da humanidade” e que aborda seis histórias diferentes, separadas por séculos de distância, mas com um ponto em comum: estão todas conectadas através do tempo. Segundo Gates, “este é o tipo de romance sobre o qual o leitor vai pensar e falar durante muito tempo após ler”.

 

 

Good Economics for Hard Times, Esther Duflo e Abhijit V. Banerjee

Esta obra, dos vencedores do Nobel da Economia do ano passado, professores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) prova que a economia pode ser uma ciência acessível aos leitores não especializados. Gates destaca as reflexões dos autores sobre “as desigualdades sociais e as políticas públicas, dois temas que estão em pleno debate na maioria dos países ocidentais”.

 

 

The Ride of a Lifetime, Bob Iger

Considerado um dos melhores livros sobre negócios que Gates jamais leu, a obra explica muito bem o que significa ser presidente de uma das maiores empresas do mundo. Bob Iger revela como assumiu o controle da Disney, após a destituição traumática de Michael Eisner e como consegui atravessar, com êxito, períodos de grandes mudanças e desafios na indústria dos filmes de animação.

 

 

The Great Influenza, John M. Barry

A Grande Gripe fala da pandemia de influenza de 1918, conhecida como a gripe espanhola. Na obra, o autor aborda as origens do surto e como a doença se espalhou rapidamente dos Estados Unidos para a Europa, durante a eclosão da guerra. Para Gates, “mesmo que os tempos sejam muito diferentes, a obra é um bom recordatório dos desafios imutáveis que enfrentamos durante as pandemias”.