Tendencias

Como liderar (virtualmente) durante o confinamento

O isolamento social imposto pelo coronavírus gerou um novo desafio: continuar a liderar as pessoas e as empresas remotamente. Agora, mais do que nunca, devemos estar sempre acessíveis, mostrar empatia e gerir emoções.

Se a liderança é vital para a sobrevivência e o sucesso de qualquer organização, perante uma situação de crise como a atual, ela tornou-se ainda mais essencial. O teletrabalho obriga os gestores a dar um novo significado e uma nova dimensão ao seu papel de líderes.

Nesse contexto, é importante recordar algumas regras básicas que permitem liderar pessoas remotamente e assegurar que os negócios sobrevivam à conjuntura adversa.

  • Quanto mais longe, melhor deve ser a comunicação: nesses tempos de incerteza, manter a comunicação constante, aberta e fluida é o melhor antídoto contra o isolamento social. Devemos criar canais de comunicação que, por uma parte, tenham uma agenda clara, mas, por outro, deixem espaço a outros temas não programados. O essencial nesta comunicação um para um é ser capazes de gerir corretamente as emoções.
  • Não se limite ao e-mail: o líder deve usar todas as ferramentas tecnológicas à sua disposição para que essa comunicação seja próxima, desde as mensagens instantâneas, às videoconferências, chamadas por telefone, etc. Nunca devemos restringir o contato aos emails, que é o meio mais impessoal.
  • Transmita segurança e confiança: agora as pessoas agora precisam ter informações claras e honestas por parte dos líderes. São eles que devem manter os funcionários informados sobre as novidades da empresa, com transparência e sempre transmitindo tranquilidade.
  • Pratique a escuta ativa: devemos saber escutar e mostrar interessar em saber como se sentem as pessoas que trabalham connosco. Vá além dos assuntos profissionais, pergunte sobre a saúde dos colegas e das suas famílias e como podemos ajudá-las. Em momentos de crise, a gestão emocional é o primeiro elo para tudo o resto funcione.
  • Ofereça formação e suporte: são as ferramentas tecnológicas que nos permitem trabalhar remotamente com eficiência, mas é preciso assegurar que elas não se tornem um obstáculo à produtividade. Garanta que todos os funcionários possuem os dispositivos e as ferramentas e recebam a formação e o suporte tecnológico adequado.
  • Use ferramentas de trabalho colaborativo: usar a tecnologia como aliada implica, acima de tudo, usar corretamente as ferramentas de trabalho colaborativo que permitem partilhar documentos, calendários ou tarefas, etc. Todas as informações devem estar disponíveis, no mesmo local, para todos os membros da equipe virtual.
  • Organize melhor o trabalho. Esta é uma das principais funções do líder. Implica dividir as tarefas dentro da equipa, nomear a pessoa encarregada de cada uma e deixar claro quem, como e quando deve realizá-la. Inclui também estabelecer objetivos realistas e alcançáveis, para que a incapacidade de os cumprir não gere frustração.
  • Defina processos de avaliação automáticos: é importante configurar um acompanhamento automatizado do progresso das tarefas, através de ferramentas tecnológicas que todos possam consultar. Deste modo o líder não perderá demasiado tempo em tarefas de mera coordenação, com pouco valor acrescentado.
  • Crie um cronograma de trabalho: a situação é nova; portanto, é necessário estabelecer claramente como o trabalho remoto será realizado, se possível, ajustando os horários com a equipa. Não se esqueça de lembrar à sua equipe o quão importante é conciliar trabalho, descanso, lazer, etc., sobretudo quando o fazemos em teletrabalho.
  • Partilhe conselhos úteis: a internet está repleta de dicas de especialistas para trabalhar remotamente com êxito, desde sugestões para organizar o espaço individual de trabalho, quais as posturas ergonómicas recomendadas frente ao computador, como gerir as interrupções, etc. Este é um excelente momento para partilhar conselhos sobre os hábitos de vida saudáveis ​​que podem ser seguidos em casa.
  • Mantenha uma atitude positiva: é essencial manter o espírito de equipe e o reforço positivo. Isso implica dar feedback positivo a cada vez que os objetivos são alcançados e garantir que as equipas continuam a trabalhar de forma produtiva e saudável. Não deixar ninguém para trás, deve ser o mote principal de quem lidera pessoas e organizações remotamente.