Opinião

O compromisso com o bem-estar corporativo, por Susana Hidalgo, People Director da Sage Iberia

No mundo tecnológico de hoje, no qual a transformação digital, a inteligência artificial, o big data, a Internet das coisas e a realidade aumentada nos fazem antever um futuro mais desumanizado, apenas as empresas com um foco nas pessoas farão a diferença.

 

Agora é a hora de renascer, de recuperar energias e de sair fortalecidos depois dos tempos em que o imediatismo nos fez negligenciar a nossa dedicação ao ativo mais importante das empresas, das sociedades e das comunidades: as pessoas. Para cuidar dos nossos ativos humanos, das suas emoções e das relações entre eles, temos que voltar ao básico e analisar como conseguimos promover o bem-estar das pessoas dentro e fora das organizações.

 

O que podemos aprender com os toltecas

Há inúmeros estudos que analisam o que nos faz viver mais e melhor. E, ao contrário do que pensamos, a razão número um não é ter uma alimentação saudável, dormir bem, fazer exercício, evitar o trabalho stressante, respirar em áreas menos poluídas. Todas elas, como é evidente, contribuem para aumentar a nossa longevidade. Mas a principal razão para viver mais e melhor baseia-se na qualidade das nossas relações sociais.

Há milhares de anos atrás, os toltecas eram conhecidos em todo o sul do México como as mulheres e os homens do conhecimento. Os antropólogos definiram esse povo como uma nação ou uma raça, mas na verdade eles eram cientistas e artistas que formaram uma sociedade para estudar e preservar o conhecimento espiritual e as práticas dos seus ancestrais. O conhecimento tolteca é descrito como um modo de vida que se distingue pelo seu fácil acesso à felicidade e ao amor através da melhoria das relações pessoais, através dos designados “quatro acordos” (ver o livro Os quatro acordos, do Dr. Miguel Ruiz), e é isso que eu gostaria de partilhar convosco hoje:

 

  1. O primeiro acordo é ser impecável com as suas palavras. Este ponto parece muito simples, mas é extremamente poderoso. A linguagem gera ação. A linguagem não é inocente. É através da nossa linguagem que somos percebidos. Nós não somos o que pensamos que somos. Somos o que os outros percebem de nós. E tudo o que eles percebem de nós é entendido pelo que dizemos e pela forma como dizemos isso. A linguagem gera realidades. E a linguagem não é apenas o que dizemos, mas COMO dizemos. A nossa linguagem não-verbal e a emoção com a qual dizemos as coisas chegam ao nosso interlocutor antes do que as próprias palavras. A escritora e poetisa Maya Angelou disse uma vez: “Eles poderão não se lembrar do que você disse, mas eles lembrar-se-ão sempre do que você os fez sentir”.
  2. O segundo acordo é não se deixar afetar pessoalmente. Nem pela pior ofensa. Nem pela pior recusa. Mas nem, igualmente, pelo maior dos elogios. Quem o ofende só está a descarregar um veneno contra si, porque não sabe como se livrar dele. Quem o lisonjeia, está a alimentar o seu ego e a fazer com que a sua humildade diminua. Ou, dito por outras palavras, devemos receber qualquer tipo de feedback como um presente. O feedback é a base do nosso crescimento pessoal.
  3. O terceiro acordo consiste em não fazer suposições. Nós tendemos a fazê-los sobre tudo. O problema é que, ao fazê-lo, acreditamos que o que assumimos é verdadeiro. Fazemos suposições sobre o que os outros fazem, o que pensam e depois pensamos que é a realidade. Nós passamos as nossas vidas fazendo suposições. Em vez de perguntar à outra parte, tendemos a acreditar que sabemos exatamente por que ele disse e fez coisas que nos afetam. Em vez de supor, a melhor coisa que podemos fazer é aproximarmo-nos do outro, falar, entender a sua posição e, a partir desse conjunto de informações, podemos começar a fazer um mapa da situação e ver como enfrentá-la. Promova conversas francas e abertas.
  4. O quarto acordo é “dê sempre o seu melhor”. E como saber se fiz o máximo que posso hoje …? Para trabalhar nesta auto-análise, sugiro uma ferramenta: faça todos os dias uma autocrítica. E a melhor hora para o fazer é à noite antes de ir dormir. Reflita sobre o que fez bem e o que podia fazer melhor … e anote-o. Nem sempre faremos tudo perfeito, mas estar ciente disso nos ajudará a avançar e a sentir-nos muito melhor. Atualmente, no campo do desenvolvimento de talentos, a capacidade de self-awareness (a autoconsciência) é o pilar de pessoas com alto potencial.

 

Agora é a hora de saber se estamos ou não de acordo com esses acordos e se eles podem realmente ajudar-nos a melhorar o nosso relacionamento com os outros, quer no ambiente pessoal, quer no profissional …

Em resumo, nas empresas que se preocupam em encorajar e facilitar as conversas difíceis, o feedback constante, o autoconhecimento, a humildade para reconhecer áreas de melhoria e a avaliação contínua, favorecerão o bem-estar dos seus funcionários. E favorecerão também os ecossistemas de parceiros, os canais de distribuição, tornando-os mais lucrativos.

 

Susana Hidalgo 
People Director, Sage Iberia